CineMulher #2 – Por um novo conto de fadas

MALÉVOLA. Um dos filmes preferidos dos últimos tempos. Eu nunca entendi por que a bruxa ficou tão zangada por não ter sido convidada para o batizado da princezinha, a ponto de colocar um feitiço na criança. Primeiro, sabemos que eram chamadas bruxas as mulheres que demonstravam ter algum conhecimento, que sabiam os segredos das ervas, que discordavam, ousavam ou qualquer coisa fora do padrão. Essas eram as bruxas.

Malévola - Conto de fadas feminista

O filme Malévola despertou raiva em fanáticas religiosas e brilho nos olhos de quem luta pela igualdade e empoderamento feminino. As mulheres têm sido vistas como cobras perigosas que precisam ser dominadas há muito tempo. Malévola é a beleza, é pureza, defende a natureza e ama seu amigo. Sim, tudo começa quando ela é apenas uma criança. Ela tem poderes, está em harmonia com a natureza. O amiguinho é um menino pobre, que em determinado ponto usa da relação de confiança, no futuro, já crescidos, para violentar Malévola e roubar suas asas. Quer algo mais metafórico que isso? Ele diz que ama e depois rouba suas asas. Ele a deixa irada, fria, triste, desconsolada e se torna rei por isso. Eles não conhecem a sua perversidade.

Ela, por sua vez, não convidada para o batismo da filha do rei, vai até lá e lança um feitiço contra a menininha fofa. A história da roca todas nós conhecemos, mas o desfecho que se dá é lindo. O final é a recompensa do amor e a revelação da ganância por parte daquele que um dia a violentou para ganhar o trono. Não vou contar o que acontece. Acho melhor deixar vocês descobrirem! E divirtam-se com a falta de jeito das fadas madrinhas!

 PARA SEMPRE CINDERELA. Uma versão moderna do conto da famosa Gata Borralheira. Drew Barrymore é Cinderela, uma moça educada, inteligente, determinada e bem humorada. Após a morte do pai, como sabemos, ela passa por maus bocados nas mãos da madrasta e irmãs malvadinhas que adoram humilhar a pobrezinha, que na verdade foi roubada pelas interesseiras. Mas, a nova versão traz mais realismo para a história e Cinderela conhece o príncipe Henry acidentalmente. Ele, por sua vez, não quer assumir o trono e nem quer o casamento arranjado. O amor entre eles surge aos poucos, como um encantamento pela personalidade da moça, não apenas a beleza. Óhhh!  Ela não tem nada de frágil, apesar de sofrer com os abusos da família.

Ela defende os criados (minorias), se liberta de senhores (sua madrasta), se ajusta na cumulativa função da mulher moderna, que além de fazer tudo em casa ainda tem que estar linda para o baile.

Nessa configuração, o príncipe tem que ralar para conquistá-la. Já as irmãs, uma má e a outra nem tão má, e também discriminada (sofre bullying por ser mais cheinha), entram na competição pelo casamento com o príncipe. Ele não está nem aí. Nada de cantorias.
E, ninguém mais que Leonardo Da Vinci está na história para assumir o papel de fada madrinha. Olha que legal! Ele aconselha, inventa e pinta um quadro famoso que parece ser da Cinderela. Revelação né gente!
Cinderela briga por sua honra e ainda salva o príncipe de uma boa surra. Eles dialogam, coisa difícil de ver nos contos de fadas originais, afinal, as princesas estão sempre fugindo ou desmaiadas, dormindo, amaldiçoadas, credo!
Nesse filme, já mostram um pouquinho da presença de espírito da mulher que Cinderela representa. Ela tem que vencer os problemas, lutar contra o abuso e diferença de classes.  Meninas, assistam! É um filme gostoso de ver.
Por um cinema que empodera!

Nos novos filmes da Disney temos visto uma grande evolução. Dramas familiares mais reais estão sendo contados sob uma perspectiva encantada. Frozen e Valente mostram mulheres e meninas que se diferenciam do mundo da lua que as princesas viviam anteriormente; elas se libertam. Mostram o amor de uma forma diferente. O melhor é trazer as mulheres como irmãs, amigas, e não inimigas mortais. Chega dessa baboseira de que mulheres se traem. Colocam isso na cabeça das meninas e vem logo aquela frase: mulher né, já viu. Homens são leais e mulheres traíras? Então, você, mulher, é assim? Eu não concordo com isso.

Em Frozen, a irmã precisava se libertar para ser feliz. Ela era diferente e por isso se escondia. Apenas o amor entre as duas conseguiu equilibrar o reino. O par perfeito da história não era o príncipe bonitão que só queria se casar por interesse, mas sim um cara comum, honesto, verdadeiro, que se importava. Já em Valente, a mocinha que é fera no arco e flecha quer escolher seu par quando ela quiser. Falam de adolescência, da relação mãe e filha de um modo surpreendente.
Então, vale a dica desses filmes também! Além de divertidos, são lindos e cheios de emoção. O diferente faz parte desses filmes e isso é extremamente importante.
frozen
Valente
Anúncios

Um comentário sobre “CineMulher #2 – Por um novo conto de fadas

  1. Pingback: CineMulher #2 – Por um novo conto de fadas | Conectidea - Comunicar e educar para o bem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s