Quando uma agressão se torna cyberbullying?

Why Menina -garota que sofre bullying

Foto: FB Diário de uma garota que sofre bullying

Apesar de todas as formas de agressão serem desagradáveis e humilhantes para quem as sofre, nem todas podem ser consideradas cyberbullying. Talvez você já tenha visto ou participado de brincadeiras ou zoações que são feitas uma vez e que podem ser comuns entre colegas ou amigos e amigas. Situações esporádicas como, por exemplo, não ser convidado para um evento uma vez ou não ter sido escolhido para fazer parte de um grupo ou equipe não representam bullying nem cyberbullying .

NÃO é cyberbullying :

  • Quando alguém não é convidado para fazer parte de um grupo de amigos nas redes sociais, esporadicamente.

  • Quando alguém não é aceito como contato ou amigo.

  • Uma briga ocasional por chat entre duas ou mais pessoas.

  • Publicar uma foto em que alguém está com a cara engraçada.

  • Criticar o comentário de alguém nas redes sociais.

SIM, é cyberbullying:

  • Criar um grupo destinado a falar mal de alguém, convidar pessoas a se unir e divulgar o grupo para que fique ativo por várias semanas ou meses na Internet.

  • Inventar falsos rumores que ridicularizem uma pessoa da escola e fazê-los circular por mensagens de texto ou nas redes sociais por um período de tempo considerável.

  • Publicar fotos de alguém com o objetivo de denegrir sua imagem, sua família, sua origem étnica, orientação sexual ou religião.

  • Fazer essas fotos circularem entre todos os contatos. Repetir a ação várias vezes com o propósito de isolar ou “deixar de fora” alguém em um determinado grupo.


Conteúdo extraído da APOSTILA PARA ADOLESCENTES – PREVENÇÃO DO cyberbullying

Coordenação de conteúdo: Visão Mundial e Cartoon Network.

O site chegadebullying.com.br disponibiliza materiais para orientar a luta contra o bullying voltados para públicos diversos, incluindo pautas para pais e educadores.

Stop the bullying

bullying e image

 

Quando falamos de bullying precisamos relembrar que existe não apenas vítima e agressor@. Existe a plateia também. São aquelas pessoas que sabem tudo o que acontece, os motivos e o sofrimento imposto, mas, ficam ali, observando, algumas vezes rindo e outras com pena da vítima. Ainda assim, seguem no silêncio por medo de se tornarem a próxima vítima. É nesse ponto que vemos a inércia e falta de solidariedade se transformarem em cumplicidade. Essas pessoas acabam participando passivamente da ação. A coragem para denunciar deveria se fazer presente. Seja se revelando no ato da denúncia ou no anonimato, a gente sempre pode fazer alguma coisa. O importante é ter atitude para tentar melhorar a situação e até mesmo prevenir outros casos.

Vamos parar o bullying!

CineMulher #1 – Meninas contra o bullying e o machismo

escovadas antes de dormir100 Escovadas antes de dormir

Sinopse (adorocinema): Melissa (Maria Valverde) é uma inocente garota siciliana, que tem apenas 16 anos. Ela se sente distante dos pais, já que seu pai vive viajando e sua mãe está concentrada apenas em seu próprio mundo, sem notar as mudanças pelas quais sua filha está passando ao se tornar uma mulher. Na escola Melissa passa o dia sonhando com Daniele (Primo Reggiani), um colega de classe por quem nutre uma paixão adolescente mas que a ignora solenemente. Até que, um dia, Daniele decide convidar Melissa para sair. Encantada, ela aceita de imediato. Seduzida, Melissa é iniciada no sexo e passa a participar dos jogos sádicos de Daniele e de seu amigo Arnaldo (Elio Germano). Desnorteada e sentindo-se humilhada pelo ocorrido, ela passa a se educar sobre o sexo e ter ousados encontros com vários homens.

Why Menina:
A relação com os pais, principalmente com a avó, e a descoberta da sexualidade são foco desse filme. A sedução, ousadia, riscos e conflitos de sua caminhada de autoconhecimento revelam o lado bom e ruim de crescer. O filme mostra como o papel da família é importante na orientação dos filhos, as neuras e desafios do seu lugar no mundo, a escola como universo questionador. Melissa, 15 anos, ultrapassa limites da curiosidade e se perde em algumas situações perigosas que envolvem drogas, orgias e exposição. Esse filme é baseado em um livro em que a autora empresta não apenas o nome à personagem, mas também algumas experiências pessoais (diário), relatos de sua adolescência em um mundo cheio de tabus. É um retrato revelador da sexualidade deste século.

preciosa

Preciosa – Uma história de esperança

Sinopse (adorocinema):1987, Nova York, bairro do Harlem. Claireece “Preciosa” Jones (Gabourey Sidibe) é uma adolescente de 16 anos que sofre uma série de privações durante sua juventude. Violentada pelo pai (Rodney Jackson) e abusada pela mãe (Mo’Nique), ela cresce irritada e sem qualquer tipo de amor. O fato de ser pobre e gorda também não a ajuda nem um pouco. Além disto, Preciosa tem um filho apelidado de “Mongo”, por ser portador de síndrome de Down, que está sob os cuidados da avó. Quando engravida pela segunda vez, Preciosa é suspensa da escola. A sra. Lichtenstein (Nealla Gordon) consegue para ela uma escola alternativa, que possa ajudá-la a melhor lidar com sua vida. Lá Preciosa encontra um meio de fugir de sua existência traumática, se refugiando em sua imaginação.


Why Menina:
Um filme que conta a saga de Preciosa, que tem de enfrentar todo tipo de preconceito e violência. Uma menina que não teve oportunidades, mas tem muitas aspirações, sonhos que parecem distantes. Ela representa toda menina que não consegue se enquadrar e que passa por privações, falta de atenção, descaso, preconceito. Clarice (Preciosa) grávida do segundo filho,16 anos, sofre abuso do próprio pai, discriminação racial, sofre com a obesidade e falta de perspectivas. É preciso muita força interior e vontade de vencer para enfrentar os desafios e violações pelas quais passa. Uma menina com grande potencial que consegue, por meio de um olhar, um encaminhamento, educação, sair da condição terrível em que vive. Ela precisa reaprender a viver, a reconhecer o amor, a acreditar. Uma real história de esperança. “E como se sente? _ Aqui. Me sinto aqui”.

Não deixem de assistir.

foxfire- meninas- machismo- empoderamento feminino

Foxfire – Confissões de uma Gangue de Garotas

Sinopse (adorocinema): Nova York, anos 1950. Um grupo de garotas, cansadas dos abusos que sofrem diariamente na fábrica em que trabalham, resolvem criar uma gangue só de mulheres chamada Foxfire. Elas carregam uma tatuagem específica nos ombros para identificar quem pertence ao grupo. O bando irá usar de violência para se vingar das humilhações sofridas nas mãos dos homens.

Why Menina: Uma história intensa, que mostra a força e o enfrentamento contra a opressão, mas também os riscos e as fragilidades de ser mulher, menina. Amizade, descobertas sobre a vida e sobre si mesmas fazem parte desse filme.

 

Dica #WhyMenina

Bullying, depressão e um balão prestes a estourar – Meninas de asas quebradas

Tudo em nós que parece não se encaixar aos padrões, é passível de bullying. Na escola, na academia, na família, na universidade, na rua, na internet. E agora? O bullying virtual está em todos os lugares e vemos cada vez mais histórias de meninas que, acuadas e pressionadas pelas ações de terceiros mal intencionados, entram em depressão, colapso nervoso, desenvolvem anorexia, bulimia e outros distúrbios que fazem mal a elas mesmas. Os outros: os outros continuam rindo, fingindo não ver, vivendo suas vidas.

why-menina -bullying-depressão

Bullying quebra asas – Ilustração de Nanda Soares para Why Menina

 

Com as redes sociais, vemos um campo aberto para disseminação de ofensas que podem afetar e até mesmo devastar a vida das pessoas. A autoestima e a segurança para seguir em frente é atropelada. Vemos por aí meninas de asas quebradas, presas em infernos astrais e pesadelos da vida real. É como se vivessem pisando em balões de gás, prestes a estourar. Lá embaixo, um abismo de exposição, olhares e julgamentos. Muitas vezes, o tombo é tão grande que leva à morte. Essa é uma metáfora para falar dos casos de meninas que sofrem tanta fadiga emocional que chegam ao suicídio.

A depressão altera o humor, o comportamento, o desejo, a saúde. A tristeza e medo persistentes mudam a pessoa que sofre com isso. E mudam suas relações no mundo. O caso de Amanda Todd, uma adolescente de 15 anos, é exemplo disso. As agressões teriam começado quando ela teve sua imagem exposta em um página no facebook criada para divulgar a jovem de topless. Como isso aconteceu? Aos 12 anos ela foi convencida a mostrar os seios pela internet e depois disso sua vida virou um pesadelo. A página se disseminou e os colegas da escola não deram trégua. Ela se mudou de casa e de várias escolas, mas o assédio foi além do que ela poderia suportar. Amanda se enforcou após a saga de sofrimento decorrente do cyberbullying. E isso não é um fato isolado. Por isso temos que refletir, informar, sensibilizar, prevenir e buscar formas de punir os agressores. A adolescente Rebecca Ann Sedwick, 12 anos, suicidou-se na Flórida, depois de passar mais de um ano sendo aterrorizada com  o bullying on-line dos colegas. Segundo a mãe da menina, sua filha recebia mensagens de texto como: “Você é feia”, “Por que você ainda está viva?” e “Se mate”.

Infelizmente, as testemunhas de bullying acabam se calando por medo de serem a próxima vítima. Mas esse comportamento precisa ser orientado para novas formas de empoderamento. As vítimas sofrem caladas e são sufocadas por ameaças, por calúnias em cima do acontecido, por palavras e atos hostis, além do isolamento. Quando isso acontece na escola, quais atitudes são tomadas pela direção e professores?

Reduzir a prevalência de bullying nas escolas pode ser uma medida de saúde pública altamente efetiva para o
século XXI. (Lopes Neto – Jornal de Pediatria – Sociedade Brasileira de Pediatria)

Bullying quebra asas, afoga o potencial de interação das pessoas, modifica sentimentos, agride, mata. A estudante Julia Gabriele, de 12 anos, foi vítima de cyberbullying no facebook, feito por contestáveis páginas de humor. Postaram suas fotos e fizeram brincadeiras desagradáveis sobre seus pelos faciais.A Revista Toda Teen contou o caso de Julia, seu desespero e a repercussão em sua família. Mãe e filha choraram e suplicaram para que parassem.

Me odeiam, mas eu nunca fiz nada para nenhum deles. (Julia)

Meninas, entendam: Bullying e cyberbullying são crimes. Denunciem!

@Nanda Soares para Why Menina