Ângulos da vida – A gente quer sempre mais

Why Menina

Ilustração de Cynthia Tedy

Pensando em muito do que vivi, confesso que tenho muita saudade de um passado inexistente. É tão mais fácil apalpar o que não temos do que aquilo que temos. E geralmente o que eu tenho não é suficiente para mim, assim como o que você tem não é suficiente para você.

Aí se pensa: eu não tenho isso, não tenho aquilo. Pronto. Não tenho nada.

Mas, pelo contrário. Tem-se um tudo, o muito, acompanhado do nada. Tem-se saúde, casa, amigos, família, comida, um monte de objetivos, sonhos mil e a própria companhia. Tem-se o essencial, talvez. Mas o problema está no “mas”. Mas isso, mas aquilo.

A extensão do que somos está no “mas”. Esta conjunção adversativa que não nos deixa parar de querer. E queremos tanto, muito. A gente quer sempre muito mais.

Nanda Soares para Why Menina