É preciso empoderar nossas meninas!

bonecas pelos direitos das mulheres

Conheça o movimento GIRL EFFECT

GIRL EFFECT

GIRL EFFECT OU EFEITO MENINA

O movimento GIRL EFFECT começou para ajudar a mudar o ciclo de pobreza e condição de vulnerabiliade social que é passada de geração em geração na linha de desenvolvimento das meninas adolescentes. Em 2009, foi lançado no Fórum Econômico Mundial de Davos, com o filme que mostra o relógio correndo na vida dessas meninas, desafiando as pessoas a pensar de forma diferente sobre o papel que elas desempenham no desenvolvimento. Defendido pela Fundação NIKE em colaboração com a Fundação NoVo, United Nations Foundation e múltiplos parceiros, o movimento se propôs a convencer o mundo a parar de ver as meninas como parte de um problema global da pobreza e passar a enxergá-las como co-criadoras de novas soluções.

MENINAS NO CENTRO DA AGENDA. Antes do lançamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, a Declaração do Efeito Menina ajudou a garantir o lugar das meninas na agenda de desenvolvimento pós-2015.

Em setembro de 2015, GIRL EFFECT tornou-se uma nova organização focada em impulsionar a mudança mensurável na vida das meninas, com apoio contínuo da Fundação Nike e outros parceiros.

MISSÃO: To change the world for girls, so that girls can change the world.

Mudar o mundo para as meninas, então as meninas poderão mudar o mundo!

Saiba mais: http://www.girleffect.org/

Feminismo é outra história. Informe-se!

Ei… feminismo não tem nada a ver com odiar homens. Feminismo é outra história… então, que tal recorrer à história das conquistas dos seus próprios direitos ‪#‎meninas‬ que odeiam feministas? Vocês sequer teriam voz para dizerem que “não são feministas” se o feminismo não tivesse quebrado a roda da opressão. Continuariam sem direito a ser cidadã, ter propriedade, direitos aos filhos/as, políticas públicas de saúde para mulheres, nem poderiam assumir cargos de chefia, já que também continuariam proibidas de frequentar o ensino superior. Ou seja, continuariam sendo obrigadas à submissão e injustiças pela força da desigualdade socioeconômica e cultural. Na verdade, esse caminho ainda está sendo construído. Infelizmente, o feminismo ainda é necessário. Muito necessário, aliás. Infelizmente muitas pesoas acham que feminismo é o contrário de machismo. Infelizmente vemos essas confusões acontecendo por falta de informação. Então, informe-se!

‪#‎feminismo‬ ‪#‎iguadadedegênero‬ ‪#‎justiçasocial‬ ‪#‎WhyMenina‬

Por que slut shaming é errado?

Slut shaming

photo credit: Pensiero via photopin cc

 

Slut shaming, ou vergonha de vadia, “é o ato de criticar a mulher por sua atividade sexual real ou presumida, ou por se comportar de maneiras que alguém pensa que estão associados com a sua atividade sexual real ou presumida.”

Esse tipo de ação está diretamente ligada à cultua do estupro e é uma das formas de cyberbullying, que veio potencializar as agressões caracterizadas no bullying, disseminando-as rapidamente pela internet. A maioria das mulheres já passou por isso e muitas até praticam, se apropriando e externalizando o machismo nosso de cada dia. Não apenas as roupas, mas também o comportamento sexual e sexualidade são podados expressivamente por toda a sociedade. Quantas vezes já não ouvimos estupros serem “justificados” pelo tipo de roupa da mulher. Sim, se os estupradores não estão em jaulas, que as mulheres optem pelas burcas para não serem chamadas de oferecidas, ou atacadas. Ainda assim, seja com as mulheres de burca ou com as de shortinho, no mundo inteiro este crime persiste.

Numa sociedade machista, onde o NÃO supostamente significa “sim” para os homens, as mulheres ficam expostas e viram objetos de controle. Nessa cultura em que as roupas ou escolhas sexuais são apontadas e causam vergonha, as mulheres ficam à mercê do julgamento alheio. Vamos dar um basta nisso. Precisamos lutar para mudar esse pensamento que nos deixa prisioneiras da insegurança. E lembrem-se: internet também é mundo real e afeta as vidas das pessoas de modo direto.

*Nanda Soares para Why Meninas