Ângulos da vida – A gente quer sempre mais

Why Menina

Ilustração de Cynthia Tedy

Pensando em muito do que vivi, confesso que tenho muita saudade de um passado inexistente. É tão mais fácil apalpar o que não temos do que aquilo que temos. E geralmente o que eu tenho não é suficiente para mim, assim como o que você tem não é suficiente para você.

Aí se pensa: eu não tenho isso, não tenho aquilo. Pronto. Não tenho nada.

Mas, pelo contrário. Tem-se um tudo, o muito, acompanhado do nada. Tem-se saúde, casa, amigos, família, comida, um monte de objetivos, sonhos mil e a própria companhia. Tem-se o essencial, talvez. Mas o problema está no “mas”. Mas isso, mas aquilo.

A extensão do que somos está no “mas”. Esta conjunção adversativa que não nos deixa parar de querer. E queremos tanto, muito. A gente quer sempre muito mais.

Nanda Soares para Why Menina

Os homens e os esmaltes da Risqué

Faltou pesquisa de mercado e uma boa redação!

Polêmica da nova coleção de esmaltes da Risqué demonstra como o empoderamento feminino está em pauta.

Um produto feminino inspirado em atitudes dos homens que influenciam na cor de esmalte que a mulher vai usar. Quando comecei a ler a descrição dos esmaltes, pensei que poderia ter o nome de uma mulher, mas quem sabe poderia se desenvolver como boa ideia. Na verdade, a ideia foi “boa”, mas a redação “falhou”. Bem, já não sei mais. Quando o primeiro esmalte fala que o André fez o jantar, dá aquela ideia de parceria, de poder ficar com as unhas feitas mais um tempinho porque o cara ajudou (mas isso não deveria ser exatamente algo para surpreender uma mulher).

risquehomens

 Convenhamos, se a publicidade dos produtos de limpeza é praticamente toda voltada para as mulheres (tanto é que “as mulheres brilham” para a Bombril), um cosmético poderia abordar essa temática de forma diferente, não é? Homens que fazem a diferença são importantes sim, pois conseguem visualizar a necessidade da vida em conjunto, enxergam as qualidades das mulheres e dividem as tarefas. O problema é falar dos “pequenos gestos diários do homens” como se isso fosse algo tão importante a ponto de influenciar na cor do esmalte. Acho que queriam abordar mais o lado romântico, baseado no antigo lado galanteador que mudaria a vida das mulheres.

As mensagens abordam as mulheres como se estivessem à espera:

  • “O André fez o Jantar” (na verdade, essa foi surpresa. Ela nem esperava, afinal, é tão incomum um cara fazer o jantar. Nesse caso parece uma mulher casada/moram juntos e, de repente, ele resolveu ajudar ou fazer algo romântico. Se ele lavar a louça para manter seu esmalte, aí sim, vamos aplaudir).

  • “Esperando a mensagem do Fê” (tanto homem quanto mulher apaixonada gosta de ter retorno, isso é certo). O problema não é isso, é o fato de estarmos num momento de empoderamento feminino. Os homens que fazem diferença são aqueles que respeitam, que compartilham, dizem eu te amo, mas praticam o “eu te amo” também.

  • “Guto fez o pedido. Lindo e cheio de graça. Arrasa por onde passa.” É a mulher esperando o pedido de casamento (coisa antiga, mas ainda tem muita moça esperando sim). Primeiro, eu não entendi a chamada com a descrição do Guto. Nada com nada e ainda lembrei da garota de Ipanema. Depois, pequeno gesto de assumir que quer construir uma vida ao lado de uma mulher? Bom, agora vamos falar de empoderamento feminino?

  • João disse eu te amo e a mulher já acha que é o homem da vida dela. Tá, acho que estão falando do primeiro amor. Será? Ou da dificuldade que os homens têm de dizer eu te amo? Ou esse é um pequeno gesto?

  • “Leo mandou flores” e conquistou a mulher. Para não perder a chance de ser mais clichê, tinha que ser um buquê de rosas. Será que as mulheres ainda são conquistadas com flores hoje em dia? Olha, é legal ganhar flores! Esse pequeno gesto faz uma diferença no dia, alegra sim. Sentir-se lembrada e amada é bom sim. Mas, vamos falar do poder das marcas e do empoderamento feminino? E o que tem isso a ver com o esmalte?

  • “Zeca chamou pra sair”. Pra terminar a lista dos esmaltes: um esmalte preto que faz a menina vestir um cinza curinga. E? Poxa gente, ela nem acredita que ele a convidou. Essas coisas acontecem mesmo. Muitas vezes vibramos quando a pessoa de quem gostamos presta atenção em nós. Mas isso é nome de esmalte? Que esmalte você vai usar? O André pra sair com o Zeca? Uma dúvida: você pinta as unhas pensando em homem? É uma dúvida mesmo viu gente! 🙂

E para piorar, a mulherada não deixou por menos nos trocadilhos: #risquehomens está bombando na rede!

Homens riscados por aí:

 Ai gente, faltou mesmo pesquisa de mercado. Vamos considerar que a cabeça das moças está mudada!

Criação que está circulando pela rede, dessa vez inspirada nas “mulheres fodas”.

mulher foda

Stop the bullying

bullying e image

 

Quando falamos de bullying precisamos relembrar que existe não apenas vítima e agressor@. Existe a plateia também. São aquelas pessoas que sabem tudo o que acontece, os motivos e o sofrimento imposto, mas, ficam ali, observando, algumas vezes rindo e outras com pena da vítima. Ainda assim, seguem no silêncio por medo de se tornarem a próxima vítima. É nesse ponto que vemos a inércia e falta de solidariedade se transformarem em cumplicidade. Essas pessoas acabam participando passivamente da ação. A coragem para denunciar deveria se fazer presente. Seja se revelando no ato da denúncia ou no anonimato, a gente sempre pode fazer alguma coisa. O importante é ter atitude para tentar melhorar a situação e até mesmo prevenir outros casos.

Vamos parar o bullying!

MENINA, NÃO SE PERCA, SE AME!

Tentando ser o que não somos nos perdemos de nós mesmas. Nada mais animador que aprender o melhor de si e mostrar aos outros como isso é bom! Vamos colecionando estereótipos e muitas vezes os reproduzimos em nossas vidas. Não há nada mais cansativo do que representar um projeto de nós mesmas e ainda perceber que nunca será suficiente para agradar a tod@s. Por isso, SEJA VOCÊ MESMA!

keep-calm-and-seja-voce-mesma menina

#WhyMenina #empoderandogarotas #beyourself

Amor próprio faz cosquinha na alma

Amor Próprio

Ilustração de Nanda Soares para Why Menina

SE AMAR não é tão simples quanto parece. Desde cedo vamos capturando o que é ser bela, o que é ser feliz e construindo aquela casa imensa na qual muitas vezes não podemos entrar. E para o universo feminino, a estética vem de modo avassalador para criar as neuras que nos acompanham.

Parece que nunca estamos satisfeitas com o nosso corpo e acabamos nos espelhando nos modelos que vemos na TV, nas revistas,  filmes e nos contos de fadas da vida moderna. Passamos um bom tempo tentando nos adaptar, até entender que não precisamos ser cópias do que julgam mais ou menos bonito, afinal, cada olhar um julgar. Até chegar nesse ponto, uma eternidade chamada autoconhecimento.

Quando eu era mais nova era muito magra, muito magra mesmo. No Brasil, ser muito magra não é algo assim tão desejável não viu. As magrelas vão saber o significado de uma calça em cima da outra para disfarçar o esqueleto e não entrar na linha de fogo da zoação dos colegas. Do outro lado, as meninas com peitos e bundas desenvolvidas e também aquelas que queriam ser magras. Mas por que você quer ser assim? Eu querendo ganhar uns quilinhos e você fazendo dieta do abacaxi?

Como se não bastasse o corpo em crescimento, a pele reclama. As espinhas vêm infernizar nossa vida. Não entendo a necessidade dessa explosão que intimida, que irrita e muitas vezes faz com que a timidez se torne vergonha de si mesma. Vale dizer que a crueldade está realmente muito presente nessa fase. E claro, existem as pessoas que passam por essas mudanças numa boa. A minha fase foi terrível. Uma vez me perguntaram se eu estava com catapora. “Não querida”, são espinhas internas que ficam vermelhas, incham, doem e ainda tem gente como você que vem cutucar a autoestima alheia. Graças à minha mãe pude fazer um tratamento que salvou minha vida pública. Hoje as coisas parecem mais fáceis, pois entendem a acne como algo a ser tratado e que pode deixar marcas profundas não apenas na face, mas também na personalidade de alguém.

Passando por esses momentos, vamos amadurecendo nossas opiniões, as neuras vão mudando e vamos aflorando para a vida. Aprendemos a conhecer o nosso corpo e a encontrar alternativas. Você enxerga que tem qualidades almejadas e o negócio é destacar o que tem de melhor.

Mulher se martiriza tanto…é cansativo. A melhor paixão da vida é a que sentimos por nós mesmas, pois aí sim nos encontramos e enfrentamos qualquer desafio, seja a batalha da aparência ou a conquista do seu lugar no mundo, no mercado de trabalho, nas curvas de nossas escolhas.

Quando nos sentimos bem, e isso pode variar de acordo com os hormônios também (rsrs), ficamos mais seguras e embalamos pacotinhos de felicidade para distribuir por aí. Amor próprio faz cócegas (cosquinha mesmo), NA ALMA.

Quando nos sentimos amadas, tudo muda. Mas nada como amar a si mesma. Sem isso, nada adianta, nada fica bom, tudo desajeita. Eu sempre me senti vivendo cenas de cinema. Muito engraçado como algumas coisas acontecem em câmera lenta. Mas o mais importante: não dá para voltar no tempo. E quanto tempo perdemos tentando achar o que está dentro de nós?

Meninas, espero que encontrem seu amor próprio, lhe abracem e ofereçam um sorvete de alegria sem pensar nas calorias.

@Nanda Soares para Why Menina ❤

 

MENINAS, VOCÊS NÃO PRECISAM AGRADAR A TODO MUNDO

LIBRE

Ilustração de Nanda Soares para Why Menina

 

Muitas vezes nos pegamos em situações chatas e acabamos cedendo para abrandar as coisas. Sim, é preciso dialogar e tentar alcançar harmonia, mas isso não significa que você tenha que concordar com tudo que a outra pessoa ou grupo diz, pensa ou faz.

Isso serve para uma infinidade de situações, desde o seu corte de cabelo, seu estilo, suas roupas, gosto musical, até a escolha da carreira, namorado/a, etc. Logicamente, temos que respeitar alguns princípios da boa convivência e ter bom senso. Mas você não precisa provar nada a ninguém para saber exatamente o que você quer. Sempre terá algum engraçadinh@ pelo caminho para testar nossas convicções, mas devemos enfrentar o desafio e acreditar em nós mesmas. Somos julgadas constantemente e pedras voam de todos os lados, mas nada melhor que a confiança como escudo para calar a boca de quem vem te diminuir, agredir, expor, estressar. E claro, há sempre aquelas pessoas que servem para abrir os nossos olhos. Cuide bem delas!

E não caiam na cilada daqueles que te ameaçam: “se não fizer isso, significa que não gosta de mim”. Why?

Questione sempre o que está acontecendo e nunca se deixe levar. Quem gosta de você de verdade, não vai te discriminar ou deixar de te amar por algo que não quis fazer por simples diferença de pensamento e vontade.

Sinceridade

Ser sincera é ser autêntica e verdadeira consigo mesma e com os outros. Melhor ter amig@s que aceitem seus defeitos e que te ajudem a enxergar por conta própria o que não está legal do que ter gente rasa te bajulando. Ou, ter gente maliciosa tentando te convencer a ser o que não é.

@Nanda Soares para Why Menina