É preciso empoderar nossas meninas!

bonecas pelos direitos das mulheres

Conheça o movimento GIRL EFFECT

GIRL EFFECT

GIRL EFFECT OU EFEITO MENINA

O movimento GIRL EFFECT começou para ajudar a mudar o ciclo de pobreza e condição de vulnerabiliade social que é passada de geração em geração na linha de desenvolvimento das meninas adolescentes. Em 2009, foi lançado no Fórum Econômico Mundial de Davos, com o filme que mostra o relógio correndo na vida dessas meninas, desafiando as pessoas a pensar de forma diferente sobre o papel que elas desempenham no desenvolvimento. Defendido pela Fundação NIKE em colaboração com a Fundação NoVo, United Nations Foundation e múltiplos parceiros, o movimento se propôs a convencer o mundo a parar de ver as meninas como parte de um problema global da pobreza e passar a enxergá-las como co-criadoras de novas soluções.

MENINAS NO CENTRO DA AGENDA. Antes do lançamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, a Declaração do Efeito Menina ajudou a garantir o lugar das meninas na agenda de desenvolvimento pós-2015.

Em setembro de 2015, GIRL EFFECT tornou-se uma nova organização focada em impulsionar a mudança mensurável na vida das meninas, com apoio contínuo da Fundação Nike e outros parceiros.

MISSÃO: To change the world for girls, so that girls can change the world.

Mudar o mundo para as meninas, então as meninas poderão mudar o mundo!

Saiba mais: http://www.girleffect.org/

O medo de ser quem somos

artwork by ohgigue

Ilustração – Autoria de Ohgigue

Cada uma de nós segue de mãos dadas com seus medos e coragens. Mas, sempre chega um tempo em que questionamos nosso poder de seguir em frente. Isso acontece com a humanidade, com todas as pessoas que sonham e querem viver em harmonia com suas ideias.

O mundo vem e lhe dá pesos para carregar. Então, é nesse momento que precisa da sua força interior para dar passos firmes. Ser quem somos, com a força que temos, com a personalidade que temos. Nós nos devemos essa lealdade. Precisamos nos abraçar e não ter medo de ser quem somos. Lembre-se disso!

Por Nanda Soares – Para Why Menina

 

Feminismo é outra história. Informe-se!

Ei… feminismo não tem nada a ver com odiar homens. Feminismo é outra história… então, que tal recorrer à história das conquistas dos seus próprios direitos ‪#‎meninas‬ que odeiam feministas? Vocês sequer teriam voz para dizerem que “não são feministas” se o feminismo não tivesse quebrado a roda da opressão. Continuariam sem direito a ser cidadã, ter propriedade, direitos aos filhos/as, políticas públicas de saúde para mulheres, nem poderiam assumir cargos de chefia, já que também continuariam proibidas de frequentar o ensino superior. Ou seja, continuariam sendo obrigadas à submissão e injustiças pela força da desigualdade socioeconômica e cultural. Na verdade, esse caminho ainda está sendo construído. Infelizmente, o feminismo ainda é necessário. Muito necessário, aliás. Infelizmente muitas pesoas acham que feminismo é o contrário de machismo. Infelizmente vemos essas confusões acontecendo por falta de informação. Então, informe-se!

‪#‎feminismo‬ ‪#‎iguadadedegênero‬ ‪#‎justiçasocial‬ ‪#‎WhyMenina‬

CineMulher #2 – Por um novo conto de fadas

MALÉVOLA. Um dos filmes preferidos dos últimos tempos. Eu nunca entendi por que a bruxa ficou tão zangada por não ter sido convidada para o batizado da princezinha, a ponto de colocar um feitiço na criança. Primeiro, sabemos que eram chamadas bruxas as mulheres que demonstravam ter algum conhecimento, que sabiam os segredos das ervas, que discordavam, ousavam ou qualquer coisa fora do padrão. Essas eram as bruxas.

Malévola - Conto de fadas feminista

O filme Malévola despertou raiva em fanáticas religiosas e brilho nos olhos de quem luta pela igualdade e empoderamento feminino. As mulheres têm sido vistas como cobras perigosas que precisam ser dominadas há muito tempo. Malévola é a beleza, é pureza, defende a natureza e ama seu amigo. Sim, tudo começa quando ela é apenas uma criança. Ela tem poderes, está em harmonia com a natureza. O amiguinho é um menino pobre, que em determinado ponto usa da relação de confiança, no futuro, já crescidos, para violentar Malévola e roubar suas asas. Quer algo mais metafórico que isso? Ele diz que ama e depois rouba suas asas. Ele a deixa irada, fria, triste, desconsolada e se torna rei por isso. Eles não conhecem a sua perversidade.

Ela, por sua vez, não convidada para o batismo da filha do rei, vai até lá e lança um feitiço contra a menininha fofa. A história da roca todas nós conhecemos, mas o desfecho que se dá é lindo. O final é a recompensa do amor e a revelação da ganância por parte daquele que um dia a violentou para ganhar o trono. Não vou contar o que acontece. Acho melhor deixar vocês descobrirem! E divirtam-se com a falta de jeito das fadas madrinhas!

 PARA SEMPRE CINDERELA. Uma versão moderna do conto da famosa Gata Borralheira. Drew Barrymore é Cinderela, uma moça educada, inteligente, determinada e bem humorada. Após a morte do pai, como sabemos, ela passa por maus bocados nas mãos da madrasta e irmãs malvadinhas que adoram humilhar a pobrezinha, que na verdade foi roubada pelas interesseiras. Mas, a nova versão traz mais realismo para a história e Cinderela conhece o príncipe Henry acidentalmente. Ele, por sua vez, não quer assumir o trono e nem quer o casamento arranjado. O amor entre eles surge aos poucos, como um encantamento pela personalidade da moça, não apenas a beleza. Óhhh!  Ela não tem nada de frágil, apesar de sofrer com os abusos da família.

Ela defende os criados (minorias), se liberta de senhores (sua madrasta), se ajusta na cumulativa função da mulher moderna, que além de fazer tudo em casa ainda tem que estar linda para o baile.

Nessa configuração, o príncipe tem que ralar para conquistá-la. Já as irmãs, uma má e a outra nem tão má, e também discriminada (sofre bullying por ser mais cheinha), entram na competição pelo casamento com o príncipe. Ele não está nem aí. Nada de cantorias.
E, ninguém mais que Leonardo Da Vinci está na história para assumir o papel de fada madrinha. Olha que legal! Ele aconselha, inventa e pinta um quadro famoso que parece ser da Cinderela. Revelação né gente!
Cinderela briga por sua honra e ainda salva o príncipe de uma boa surra. Eles dialogam, coisa difícil de ver nos contos de fadas originais, afinal, as princesas estão sempre fugindo ou desmaiadas, dormindo, amaldiçoadas, credo!
Nesse filme, já mostram um pouquinho da presença de espírito da mulher que Cinderela representa. Ela tem que vencer os problemas, lutar contra o abuso e diferença de classes.  Meninas, assistam! É um filme gostoso de ver.
Por um cinema que empodera!

Nos novos filmes da Disney temos visto uma grande evolução. Dramas familiares mais reais estão sendo contados sob uma perspectiva encantada. Frozen e Valente mostram mulheres e meninas que se diferenciam do mundo da lua que as princesas viviam anteriormente; elas se libertam. Mostram o amor de uma forma diferente. O melhor é trazer as mulheres como irmãs, amigas, e não inimigas mortais. Chega dessa baboseira de que mulheres se traem. Colocam isso na cabeça das meninas e vem logo aquela frase: mulher né, já viu. Homens são leais e mulheres traíras? Então, você, mulher, é assim? Eu não concordo com isso.

Em Frozen, a irmã precisava se libertar para ser feliz. Ela era diferente e por isso se escondia. Apenas o amor entre as duas conseguiu equilibrar o reino. O par perfeito da história não era o príncipe bonitão que só queria se casar por interesse, mas sim um cara comum, honesto, verdadeiro, que se importava. Já em Valente, a mocinha que é fera no arco e flecha quer escolher seu par quando ela quiser. Falam de adolescência, da relação mãe e filha de um modo surpreendente.
Então, vale a dica desses filmes também! Além de divertidos, são lindos e cheios de emoção. O diferente faz parte desses filmes e isso é extremamente importante.
frozen
Valente

Os homens e os esmaltes da Risqué

Faltou pesquisa de mercado e uma boa redação!

Polêmica da nova coleção de esmaltes da Risqué demonstra como o empoderamento feminino está em pauta.

Um produto feminino inspirado em atitudes dos homens que influenciam na cor de esmalte que a mulher vai usar. Quando comecei a ler a descrição dos esmaltes, pensei que poderia ter o nome de uma mulher, mas quem sabe poderia se desenvolver como boa ideia. Na verdade, a ideia foi “boa”, mas a redação “falhou”. Bem, já não sei mais. Quando o primeiro esmalte fala que o André fez o jantar, dá aquela ideia de parceria, de poder ficar com as unhas feitas mais um tempinho porque o cara ajudou (mas isso não deveria ser exatamente algo para surpreender uma mulher).

risquehomens

 Convenhamos, se a publicidade dos produtos de limpeza é praticamente toda voltada para as mulheres (tanto é que “as mulheres brilham” para a Bombril), um cosmético poderia abordar essa temática de forma diferente, não é? Homens que fazem a diferença são importantes sim, pois conseguem visualizar a necessidade da vida em conjunto, enxergam as qualidades das mulheres e dividem as tarefas. O problema é falar dos “pequenos gestos diários do homens” como se isso fosse algo tão importante a ponto de influenciar na cor do esmalte. Acho que queriam abordar mais o lado romântico, baseado no antigo lado galanteador que mudaria a vida das mulheres.

As mensagens abordam as mulheres como se estivessem à espera:

  • “O André fez o Jantar” (na verdade, essa foi surpresa. Ela nem esperava, afinal, é tão incomum um cara fazer o jantar. Nesse caso parece uma mulher casada/moram juntos e, de repente, ele resolveu ajudar ou fazer algo romântico. Se ele lavar a louça para manter seu esmalte, aí sim, vamos aplaudir).

  • “Esperando a mensagem do Fê” (tanto homem quanto mulher apaixonada gosta de ter retorno, isso é certo). O problema não é isso, é o fato de estarmos num momento de empoderamento feminino. Os homens que fazem diferença são aqueles que respeitam, que compartilham, dizem eu te amo, mas praticam o “eu te amo” também.

  • “Guto fez o pedido. Lindo e cheio de graça. Arrasa por onde passa.” É a mulher esperando o pedido de casamento (coisa antiga, mas ainda tem muita moça esperando sim). Primeiro, eu não entendi a chamada com a descrição do Guto. Nada com nada e ainda lembrei da garota de Ipanema. Depois, pequeno gesto de assumir que quer construir uma vida ao lado de uma mulher? Bom, agora vamos falar de empoderamento feminino?

  • João disse eu te amo e a mulher já acha que é o homem da vida dela. Tá, acho que estão falando do primeiro amor. Será? Ou da dificuldade que os homens têm de dizer eu te amo? Ou esse é um pequeno gesto?

  • “Leo mandou flores” e conquistou a mulher. Para não perder a chance de ser mais clichê, tinha que ser um buquê de rosas. Será que as mulheres ainda são conquistadas com flores hoje em dia? Olha, é legal ganhar flores! Esse pequeno gesto faz uma diferença no dia, alegra sim. Sentir-se lembrada e amada é bom sim. Mas, vamos falar do poder das marcas e do empoderamento feminino? E o que tem isso a ver com o esmalte?

  • “Zeca chamou pra sair”. Pra terminar a lista dos esmaltes: um esmalte preto que faz a menina vestir um cinza curinga. E? Poxa gente, ela nem acredita que ele a convidou. Essas coisas acontecem mesmo. Muitas vezes vibramos quando a pessoa de quem gostamos presta atenção em nós. Mas isso é nome de esmalte? Que esmalte você vai usar? O André pra sair com o Zeca? Uma dúvida: você pinta as unhas pensando em homem? É uma dúvida mesmo viu gente! 🙂

E para piorar, a mulherada não deixou por menos nos trocadilhos: #risquehomens está bombando na rede!

Homens riscados por aí:

 Ai gente, faltou mesmo pesquisa de mercado. Vamos considerar que a cabeça das moças está mudada!

Criação que está circulando pela rede, dessa vez inspirada nas “mulheres fodas”.

mulher foda

Minha saia não é licença para abuso sexual

Minha saia não é licença para abuso sexual

 Sobre abuso sexual:

1- A culpa nunca é da vítima.

2- A culpa não é da saia curta ou do olhar que o cara acha que recebeu.

3- Não é Não.

Você sabe o que significa abuso sexual?

Abuso sexual é algo imposto por meio de força, não é um ato desejado por ambas as partes, é uma violência. O agressor sempre é o culpado, nunca a vítima. Geralmente os agressores dizem ter sido provocados e até mesmo usam a justificativa do tamanho da roupa da mulher, que é levada em consideração para o ato repugnante. Esse é o machismo nosso de cada dia.

O Ato de abusar

A vítima fica incapaz de negar consentimento, ou por ser mais fraca, ou por coação por arma, medo, extrema violência, coação emocional e moral. Muitas não denunciam por vergonha. Nossa sociedade também julga as pessoas agredidas. O abuso sexual pode ocorrer de qualquer lado. Muitas vezes acontece dentro da própria casa, cometido por parentes e amigos da família. Algumas vítimas podem até mesmo se tornar abusadores no futuro.

Tipos de abuso sexual

Existem diversos tipos de abuso, dentre eles: pedofilia, estupro, assédio sexual e exploração sexual, que ocorre muito no caso de tráfico de pessoas, especialmente de mulheres.

 

Como denunciar casos de abuso sexual

1-  Entenda que a culpa nunca é da vítima.

2- Vamos perder o medo de denunciar e romper com o silêncio.

Denúncias em casos de crianças e adolescentes, procure:

  • Conselhos Tutelares ou  Varas da Infância e da Juventude; Delegacias de Proteção à Criança e ao Adolescente;

  • ou DISQUE 100.

Denúncias em casos de abusos contra Mulheres:

  • Delegacias da Mulher;

  • DISQUE 100 OU 180.

Vamos romper o pacto de silêncio. Não é vergonha denunciar. Não alimente essa violência.

 

Nanda Soares para Why Menina

 

Quando uma agressão se torna cyberbullying?

Why Menina -garota que sofre bullying

Foto: FB Diário de uma garota que sofre bullying

Apesar de todas as formas de agressão serem desagradáveis e humilhantes para quem as sofre, nem todas podem ser consideradas cyberbullying. Talvez você já tenha visto ou participado de brincadeiras ou zoações que são feitas uma vez e que podem ser comuns entre colegas ou amigos e amigas. Situações esporádicas como, por exemplo, não ser convidado para um evento uma vez ou não ter sido escolhido para fazer parte de um grupo ou equipe não representam bullying nem cyberbullying .

NÃO é cyberbullying :

  • Quando alguém não é convidado para fazer parte de um grupo de amigos nas redes sociais, esporadicamente.

  • Quando alguém não é aceito como contato ou amigo.

  • Uma briga ocasional por chat entre duas ou mais pessoas.

  • Publicar uma foto em que alguém está com a cara engraçada.

  • Criticar o comentário de alguém nas redes sociais.

SIM, é cyberbullying:

  • Criar um grupo destinado a falar mal de alguém, convidar pessoas a se unir e divulgar o grupo para que fique ativo por várias semanas ou meses na Internet.

  • Inventar falsos rumores que ridicularizem uma pessoa da escola e fazê-los circular por mensagens de texto ou nas redes sociais por um período de tempo considerável.

  • Publicar fotos de alguém com o objetivo de denegrir sua imagem, sua família, sua origem étnica, orientação sexual ou religião.

  • Fazer essas fotos circularem entre todos os contatos. Repetir a ação várias vezes com o propósito de isolar ou “deixar de fora” alguém em um determinado grupo.


Conteúdo extraído da APOSTILA PARA ADOLESCENTES – PREVENÇÃO DO cyberbullying

Coordenação de conteúdo: Visão Mundial e Cartoon Network.

O site chegadebullying.com.br disponibiliza materiais para orientar a luta contra o bullying voltados para públicos diversos, incluindo pautas para pais e educadores.

CineMulher #1 – Meninas contra o bullying e o machismo

escovadas antes de dormir100 Escovadas antes de dormir

Sinopse (adorocinema): Melissa (Maria Valverde) é uma inocente garota siciliana, que tem apenas 16 anos. Ela se sente distante dos pais, já que seu pai vive viajando e sua mãe está concentrada apenas em seu próprio mundo, sem notar as mudanças pelas quais sua filha está passando ao se tornar uma mulher. Na escola Melissa passa o dia sonhando com Daniele (Primo Reggiani), um colega de classe por quem nutre uma paixão adolescente mas que a ignora solenemente. Até que, um dia, Daniele decide convidar Melissa para sair. Encantada, ela aceita de imediato. Seduzida, Melissa é iniciada no sexo e passa a participar dos jogos sádicos de Daniele e de seu amigo Arnaldo (Elio Germano). Desnorteada e sentindo-se humilhada pelo ocorrido, ela passa a se educar sobre o sexo e ter ousados encontros com vários homens.

Why Menina:
A relação com os pais, principalmente com a avó, e a descoberta da sexualidade são foco desse filme. A sedução, ousadia, riscos e conflitos de sua caminhada de autoconhecimento revelam o lado bom e ruim de crescer. O filme mostra como o papel da família é importante na orientação dos filhos, as neuras e desafios do seu lugar no mundo, a escola como universo questionador. Melissa, 15 anos, ultrapassa limites da curiosidade e se perde em algumas situações perigosas que envolvem drogas, orgias e exposição. Esse filme é baseado em um livro em que a autora empresta não apenas o nome à personagem, mas também algumas experiências pessoais (diário), relatos de sua adolescência em um mundo cheio de tabus. É um retrato revelador da sexualidade deste século.

preciosa

Preciosa – Uma história de esperança

Sinopse (adorocinema):1987, Nova York, bairro do Harlem. Claireece “Preciosa” Jones (Gabourey Sidibe) é uma adolescente de 16 anos que sofre uma série de privações durante sua juventude. Violentada pelo pai (Rodney Jackson) e abusada pela mãe (Mo’Nique), ela cresce irritada e sem qualquer tipo de amor. O fato de ser pobre e gorda também não a ajuda nem um pouco. Além disto, Preciosa tem um filho apelidado de “Mongo”, por ser portador de síndrome de Down, que está sob os cuidados da avó. Quando engravida pela segunda vez, Preciosa é suspensa da escola. A sra. Lichtenstein (Nealla Gordon) consegue para ela uma escola alternativa, que possa ajudá-la a melhor lidar com sua vida. Lá Preciosa encontra um meio de fugir de sua existência traumática, se refugiando em sua imaginação.


Why Menina:
Um filme que conta a saga de Preciosa, que tem de enfrentar todo tipo de preconceito e violência. Uma menina que não teve oportunidades, mas tem muitas aspirações, sonhos que parecem distantes. Ela representa toda menina que não consegue se enquadrar e que passa por privações, falta de atenção, descaso, preconceito. Clarice (Preciosa) grávida do segundo filho,16 anos, sofre abuso do próprio pai, discriminação racial, sofre com a obesidade e falta de perspectivas. É preciso muita força interior e vontade de vencer para enfrentar os desafios e violações pelas quais passa. Uma menina com grande potencial que consegue, por meio de um olhar, um encaminhamento, educação, sair da condição terrível em que vive. Ela precisa reaprender a viver, a reconhecer o amor, a acreditar. Uma real história de esperança. “E como se sente? _ Aqui. Me sinto aqui”.

Não deixem de assistir.

foxfire- meninas- machismo- empoderamento feminino

Foxfire – Confissões de uma Gangue de Garotas

Sinopse (adorocinema): Nova York, anos 1950. Um grupo de garotas, cansadas dos abusos que sofrem diariamente na fábrica em que trabalham, resolvem criar uma gangue só de mulheres chamada Foxfire. Elas carregam uma tatuagem específica nos ombros para identificar quem pertence ao grupo. O bando irá usar de violência para se vingar das humilhações sofridas nas mãos dos homens.

Why Menina: Uma história intensa, que mostra a força e o enfrentamento contra a opressão, mas também os riscos e as fragilidades de ser mulher, menina. Amizade, descobertas sobre a vida e sobre si mesmas fazem parte desse filme.

 

Dica #WhyMenina

MENINA, NÃO SE PERCA, SE AME!

Tentando ser o que não somos nos perdemos de nós mesmas. Nada mais animador que aprender o melhor de si e mostrar aos outros como isso é bom! Vamos colecionando estereótipos e muitas vezes os reproduzimos em nossas vidas. Não há nada mais cansativo do que representar um projeto de nós mesmas e ainda perceber que nunca será suficiente para agradar a tod@s. Por isso, SEJA VOCÊ MESMA!

keep-calm-and-seja-voce-mesma menina

#WhyMenina #empoderandogarotas #beyourself

Amor próprio faz cosquinha na alma

Amor Próprio

Ilustração de Nanda Soares para Why Menina

SE AMAR não é tão simples quanto parece. Desde cedo vamos capturando o que é ser bela, o que é ser feliz e construindo aquela casa imensa na qual muitas vezes não podemos entrar. E para o universo feminino, a estética vem de modo avassalador para criar as neuras que nos acompanham.

Parece que nunca estamos satisfeitas com o nosso corpo e acabamos nos espelhando nos modelos que vemos na TV, nas revistas,  filmes e nos contos de fadas da vida moderna. Passamos um bom tempo tentando nos adaptar, até entender que não precisamos ser cópias do que julgam mais ou menos bonito, afinal, cada olhar um julgar. Até chegar nesse ponto, uma eternidade chamada autoconhecimento.

Quando eu era mais nova era muito magra, muito magra mesmo. No Brasil, ser muito magra não é algo assim tão desejável não viu. As magrelas vão saber o significado de uma calça em cima da outra para disfarçar o esqueleto e não entrar na linha de fogo da zoação dos colegas. Do outro lado, as meninas com peitos e bundas desenvolvidas e também aquelas que queriam ser magras. Mas por que você quer ser assim? Eu querendo ganhar uns quilinhos e você fazendo dieta do abacaxi?

Como se não bastasse o corpo em crescimento, a pele reclama. As espinhas vêm infernizar nossa vida. Não entendo a necessidade dessa explosão que intimida, que irrita e muitas vezes faz com que a timidez se torne vergonha de si mesma. Vale dizer que a crueldade está realmente muito presente nessa fase. E claro, existem as pessoas que passam por essas mudanças numa boa. A minha fase foi terrível. Uma vez me perguntaram se eu estava com catapora. “Não querida”, são espinhas internas que ficam vermelhas, incham, doem e ainda tem gente como você que vem cutucar a autoestima alheia. Graças à minha mãe pude fazer um tratamento que salvou minha vida pública. Hoje as coisas parecem mais fáceis, pois entendem a acne como algo a ser tratado e que pode deixar marcas profundas não apenas na face, mas também na personalidade de alguém.

Passando por esses momentos, vamos amadurecendo nossas opiniões, as neuras vão mudando e vamos aflorando para a vida. Aprendemos a conhecer o nosso corpo e a encontrar alternativas. Você enxerga que tem qualidades almejadas e o negócio é destacar o que tem de melhor.

Mulher se martiriza tanto…é cansativo. A melhor paixão da vida é a que sentimos por nós mesmas, pois aí sim nos encontramos e enfrentamos qualquer desafio, seja a batalha da aparência ou a conquista do seu lugar no mundo, no mercado de trabalho, nas curvas de nossas escolhas.

Quando nos sentimos bem, e isso pode variar de acordo com os hormônios também (rsrs), ficamos mais seguras e embalamos pacotinhos de felicidade para distribuir por aí. Amor próprio faz cócegas (cosquinha mesmo), NA ALMA.

Quando nos sentimos amadas, tudo muda. Mas nada como amar a si mesma. Sem isso, nada adianta, nada fica bom, tudo desajeita. Eu sempre me senti vivendo cenas de cinema. Muito engraçado como algumas coisas acontecem em câmera lenta. Mas o mais importante: não dá para voltar no tempo. E quanto tempo perdemos tentando achar o que está dentro de nós?

Meninas, espero que encontrem seu amor próprio, lhe abracem e ofereçam um sorvete de alegria sem pensar nas calorias.

@Nanda Soares para Why Menina ❤

 

MENINAS, VOCÊS NÃO PRECISAM AGRADAR A TODO MUNDO

LIBRE

Ilustração de Nanda Soares para Why Menina

 

Muitas vezes nos pegamos em situações chatas e acabamos cedendo para abrandar as coisas. Sim, é preciso dialogar e tentar alcançar harmonia, mas isso não significa que você tenha que concordar com tudo que a outra pessoa ou grupo diz, pensa ou faz.

Isso serve para uma infinidade de situações, desde o seu corte de cabelo, seu estilo, suas roupas, gosto musical, até a escolha da carreira, namorado/a, etc. Logicamente, temos que respeitar alguns princípios da boa convivência e ter bom senso. Mas você não precisa provar nada a ninguém para saber exatamente o que você quer. Sempre terá algum engraçadinh@ pelo caminho para testar nossas convicções, mas devemos enfrentar o desafio e acreditar em nós mesmas. Somos julgadas constantemente e pedras voam de todos os lados, mas nada melhor que a confiança como escudo para calar a boca de quem vem te diminuir, agredir, expor, estressar. E claro, há sempre aquelas pessoas que servem para abrir os nossos olhos. Cuide bem delas!

E não caiam na cilada daqueles que te ameaçam: “se não fizer isso, significa que não gosta de mim”. Why?

Questione sempre o que está acontecendo e nunca se deixe levar. Quem gosta de você de verdade, não vai te discriminar ou deixar de te amar por algo que não quis fazer por simples diferença de pensamento e vontade.

Sinceridade

Ser sincera é ser autêntica e verdadeira consigo mesma e com os outros. Melhor ter amig@s que aceitem seus defeitos e que te ajudem a enxergar por conta própria o que não está legal do que ter gente rasa te bajulando. Ou, ter gente maliciosa tentando te convencer a ser o que não é.

@Nanda Soares para Why Menina

POR QUE VOCÊ FEZ ISSO? REVENGE PORN

Capa do Filme Cyberbullying

Capa do Filme Cyberbullying

A pornografia de vingança (revenge porn) acontece quando alguém expõe suas fotos ou vídeos íntimos na internet sem o seu consentimento, na maioria das vezes por vingança, raiva ou como provocação, “inocente” brincadeira de mau gosto. Namoro, amizade ou qualquer outro relacionamento pode ter seus altos e baixos, mas nada justifica essa agressão. Ano passado, pela primeira vez, condenaram alguém por esse crime na Califórnia. Um homem publicou fotos de sua ex-noiva desnuda no facebook e ela não deixou barato. Até mesmo os comentários depreciativos que ele fez entraram nessa história. No Brasil, as leis ainda são cheias de brechas.

A pornografia de vingança é uma modalidade do Cyberbulliyng, ação que se caracteriza por hostilização banal sobre a vítima, agredindo e expondo a pessoa por meio de imagens ou textos via internet. Podem usar de diversas ferramentas para tal, configurando assédio moral que acaba tomando uma proporção muito maior no meio virtual. Leia mais sobre Cyberbullying: violência virtual e o enquadramento penal no Brasil.

Imagine como isso pode mudar e até mesmo destruir a vida de uma pessoa. Há casos de meninas que não aguentaram a pressão e tiverem que mudar de cidade. Em casos mais graves, ocorreu suicídio. As vítimas são expostas e todos que fazem parte da sua vida são afetados também.

A Revista Carta Capital publicou uma matéria falando sobre Os suicídios de garotas que tiveram suas fotos íntimas vazadas na internet.

“Hoje de tarde dou um jeito nisso. não vou ser mais estorvo pra ninguém”. Essa foi a frase que a estudante Giana Laura Fabi, de 16 anos, escreveu no Twitter antes de se matar. Ainda segundo a família, o suicídio da garota teria sido motivado pelo vazamento de uma foto sua mostrando os seios. Dias antes, uma estudante do Piauí (17 anos) havia se matado por motivo semelhante.

Como não falar disso? Está acontecendo com nossas meninas em muitos lugares do mundo. Está acontecendo aqui. Qual o papel da escola e do governo nesse sentido? Estamos  totalmente conectados: um clique pode transformar a realidade de muita gente.

Adolescentes seguem padrões rígidos de beleza disseminados por todos os meios. Se antes a TV dominava, agora as redes sociais se misturam ao cotidiano de meninas e meninos. Se fotografar e deixar-se ser fotografad@ virou moda. Cobranças estéticas e a fórmula mágica da felicidade instantânea compartilhadas por aí. Se para mulheres adultas já é pesado encarar tudo isso, imagine para as meninas. No meio do caminho, para satisfazer o desejo estrelado intimamente, tornando-se celebridade para si mesma e para o outro, encontram cortinas abertas quando não deveriam estar.

Mas, lembrem-se, a culpa não é da vítima. A nossa cultura machista reforça o hábito de martirizar quem foi exposto. Infelizmente, é preciso tomar cuidado, pois mesmo as pessoas que achamos que conhecemos e confiamos podem ter atitudes inesperadas. Além disso, existem casos como o da atriz Carolina Dieckmann, que teve suas fotos íntimas roubadas e divulgadas por Hackers. O caso dela (2011) ajudou na criação de uma lei que leva o seu nome: a Lei Carolina Dieckmann. Aprovada pelo Congresso Nacional em 2012, prevê multa e pena de prisão de até um ano para quem acessar e divulgar dados sigilosos sem autorização.

Outras celebridades como Rihanna, Wynonna Ryder, Demi Lovato e Vanessa Hudgens também tiveram fotos divulgadas. De acordo com informações do BuzzFeed, as fotos podem ter sido roubadas por causa de um problema no sistema de backup iCloud, da Apple.

Precisamos sim de leis que punam essas atitudes, mas precisamos também de informação, de uma educação não sexista, de relacionamentos verdadeiramente confiáveis, de mais atenção aos nossos jovens, de uma transformação social.

Nanda Soares para Why Menina